domingo, 29 de julho de 2012

Algo.

Quando a tempestade finalmente passa, não sobra nada. Só um vazio, grande, pronto a ser preenchido. Já não há mais dor, nem tristeza, nem saudade, nem lágrimas, nem desespero ou sequer arrependimento. O que sobra é pura e simplesmente um coração em recuperação sem esperanças ou novas ilusões. Não sentir nada é bom. Mas a angustia de não saber o que esperar é um pouco intrigante. Porque faltam objectivos, e novas promessas, e razões para um sorriso um pouco mais verdadeiro. Não pensem sequer que estou mal, não, nada disso, mas que falta algo, falta. E cabe ao tempo dizer o quê, e quem sabe, trazer o pedacinho do meu coração que se perdeu depois de tamanha tempestade...