domingo, 19 de junho de 2011

A Rosa

"Permanecemos em silêncio. Tenho a sensação que esta é a última vez que estaremos juntos. Entro em choque e sou invadida subitamente por uma sensação de vazio. Porém, ambos temos a noção de que é impossível continuar-mos juntos.
O ambiente está pesado. Tento fitá-lo, mas tenho medo da sua expressão. Ele começa a falar, observando a paisagem à nossa frente, e sem me olhar verdadeiramente.
Tento escutar o que ele me diz, mas não consigo captar a maioria das suas palavras. 
Observo também aquele lugar. Agora com outros olhos. Outrora era tranquilo e transmitia-me a sensação de paz. Porém, sabia que depois deste dia, quando cá voltasse, estaria repleto de recordações. Dolorosas.
De repente, veio-me à ideia a imagem de uma rosa. As rosas são como as relações. Ao principio são completas e cheias de cor. Mas ao longo do tempo perdem pétalas e a sua cor desvanece... 
Desci à realidade depois destes momentos de abstracção, e parti, deixando-o a ele e a todas as recordações para trás."

Sem comentários:

Enviar um comentário